Tradutor

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Esboço mensagem_Demolindo fortalezas com o perdão_Pr. Cézar Carrijo


Tema: DEMOLINDO FORTALEZAS COM O PERDÃO
                                                                       Pv 18.19
O irmão ofendido é mais difícil de conquistar (inacessível) do que uma fortaleza; e as contendas (discussões) são como ferrolhos de um palácio
»» Para conquistar algo grande, sempre é preciso demolir FORTALEZAS. (Ingratidão, incompreensão, Ofensas)
»» A indiferença, a conivência, a retaliação são impotentes diante das fortalezas espirituais. Apenas o PERDÃO pode demolir estas fortalezas.
»» Nenhuma conquista é real quando uma fortaleza, se mantém de pé. (2 Sm 5.7 – O reinado de David só esteve completo a partir de quando ele conquistou a fortaleza)

1. O PERDÃO TEM ORIGEM NO PRÓPRIO DEUS
·                   Sl 130.4 – “Mas contigo está o PERDÃO para que sejas temido”. (reverenciado)
·                   Dn 9.9 – Ao Senhor pertence a MISERICÓRDIA e o PERDÃO. (Daniel reconhecia que a solução para a rebeldia da nação somente seria possível através da misericórdia e do perdão de Deus)

2. O PERDÃO É UMA VIRTUDE DOS FORTES (Cl 3.13Suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também”)
»» José não revidou a ingratidão de seus irmãos. Ele os beijou e os sustentou na terra do Egipto (Gn 45.15)
»» Moisés perdoou Mirian e Arão, que questionaram sua autoridade espiritual (Nm 12.13Moisés orou pedindo a cura de Mirian) – Moisés “passou por cima” da afronta (Pv 19.11).
»» David poupou a vida de Saul várias vezes por não querer matar o ungido do Senhor (1 Sm 24.6) – David confiava na justiça de Deus (1 Sm 24.15)
»» Estevão após falar do forte José, do forte Moisés, do forte David, ele termina sua vida na terra, entre pedras, sangue, dores, afrontas, pregando sua última mensagem sobre o mais forte entre os fortes: Jesus, o leão da Tribo de Judá que venceu a “indiferença humana” (Jo 1.11) com o perdão. (At 7.60 – Os seus algozes puderam matá-lo, mas não puderam calar a voz: “Senhor, não lhes imputes este pecado”. Quase 2.000 anos se passaram, e a sua voz ainda não se calou) – Ele não foi sepultado por palavras de ressentimentos, mas conduzido nas “asas do perdão”)
·                   Pv 19.11 – O entendimento do homem retém a sua ira (o torna longânimo) mas a sua glória (renome, beleza) é passar sobre (por cima da) a transgressão (Esquecer a ofensa –TB)
·                   Mt 18.18 – O perdão liga as coisas na terra e de forma simultânea também no céu.
·                   Mt 5.23,24 – O recebimento de nossa adoração, de nossas ofertas, e nosso louvor à Deus depende em liberar o perdão para aqueles que nos ofenderam.

3. O PERDÃO REVELA NOSSA PRÓPRIA FRAGILIDADE
·                   2 Sm 12.5 – É muito fácil sentenciar alguém que peca, desde que imaginemos que “este alguém” não seja nós. (David se precipitou em dar a sentença – A precipitação e ira não lhe permitiram raciocinar)
·                   2 Sm 12.13 – David se apoia na confissão: Pequei contra o Senhor. Para que o perdão de Deus alcançasse a sua vida.
·                   Mt 5.22 – “Qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão será réu de juízo, e qualquer que chamar a seu irmão de “raca (palavra aramaica: “Você não presta!”) será réu do Sinédrio (Composto por 71 juízes e presidido pelo Sumo-Sacerdote); e qualquer que lhe chamar de “louco” (gr. Moros – reprovado moral, destituído de qualquer espiritualidade) será réu do fogo do inferno.
·                   Quem não vence a fortaleza da cólera, da ira, da afronta, se torna um homicida espiritual.
·                   Ignorar (Excluir) uma pessoa da minha vida, ao contrário de perdoá-la faz de mim um “homicida espiritual doloso” (Com intenção de cometê-lo), ferindo frontalmente o 6º mandamento (Ex 20.13) – A INDIFERENÇA é uma arma letal.
·                   Tg 2.11 – Pecado não é apenas adultério. Mas matar (mesmo espiritualmente) nos faz transgressor da lei. Sujeito às suas penalidades.
·                   Tg 2.13 – “O juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; a misericórdia triunfa sobre o juízo”. (Mt 5.7“Bem-aventurado os misericordiosos porque eles alcançarão misericórdia”)

4. O PERDÃO NÃO É UM SENTIMENTO, E SIM UMA ATITUDE [postura, propósito] (Mt 18.23-35) – [10.000 talentos=60 milhões de denários que equivale a 165 mil dias de trabalho]
»» Para Deus. (Ef 2.4,5 – “Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas (ferrolhos do castelo), nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos)”)
·                   Mt 18.21,22 – A matemática do perdão 70 x 7
·                   O perdão não “deleta” o passado, e sim nos faz superar (passar por cima) (postura) da ofensa, ou da afronta. (Testemunho do Paulo César na Drogaria Martins).
·                   O perdão é regido por uma Lei: Quem transgride a Lei sofrerá as consequências previstas na Lei.
·                   Mt 6.14,15 - O perdão não é uma opção, e sim uma condição:Se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celestial vos perdoará a vós. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”.
·                   Quando eu não perdoo, estou ensinando as pessoas próximas de mim (Conjugue, filho, sobrinho) a não perdoar. (A lei da semeadura não foi abolida pela graça).
·                   Mc 4.24 – “[...] Com a medida que medirdes, vos medirão a vós, e ser-vos-á ainda acrescentada”.
·                   Muitos “pais abandonados” hoje estão colhendo os frutos de suas atitudes praticadas com seus progenitores.
·                   Gl 6.7 – “NÃO ERREIS: Deus não se deixa escarnecer, porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” – Uma poderosa advertência.
·                   Gl 6.9 – “Não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido”.

5. O ÚNICO PECADO IMPERDOÁVEL: Blasfémia contra o Espírito Santo
»» Blasfêmia é qualquer comentário calunioso ou maldizente, chegando a atribuir a Satanás as obras do Espírito Santo. Ela é imperdoável, se é maliciosa e conscientemente (Hb 10.26-31 / 1 Tm 1.13) (Bíblia Dake)
·                   Mt 12.31 – A blasfêmia contra o Espírito Santo é um pecado imperdoável. Porque aquele que convence do pecado foi afrontado. Será que blasfemei contra o Espírito Santo? É a pergunta mais comum..
·                   1 Jo 1.9 – A confissão revela dois atributos de Deus: Fidelidade e Justiça.




video
O plano de Deus vai até o final. Deus te abençoe e guarde.

Sem comentários :

Pr. Cézar Carrijo e Missª Gláucia Carrijo

Pr. Cézar Carrijo e Missª Gláucia Carrijo

Mensagens populares

Me esforço para parecer com Jesus